Tekie
By iTech



iDrive

12/05/2014
 

Nissan Qashqai: O regresso do Samurai

Fazer um teste à nova geração do Qashqai não é fácil, a responsabilidade é muita. Afinal estamos a falar de um carro que no ponto máximo da sua popularidade implicava 9 meses de espera, era como esperar um filho. Pessoalmente apesar de ser um carro atraente por fora, por dentro desiludia.

10298734_659392154096991_1708024341891301294_n

E por estas razões esperava com expectativa esta nova versão. Já tinha visto alguns exemplares a circular na estrada e realmente estava mais atraente, apesar de já não ter aquela aura de novidade, ainda era objecto de desejo. E de uma assentada a Nissan agendou-nos dois exemplares, um com o tradicional motor 1.5 Dci de 11ocv, que irá constituir a grande fatia das vendas, e o 1.6 Dci de 130 cv, o melhor motor para este carro. Equipamentos exactamente iguais, ou seja, o nível tekna (já iremos ao detalhe).

1656156_656513044384902_7600693024237618624_n

Começámos justamente pelo 1.5 Dci, na sua cor vermelha, a cor que tradicionalmente a Nissan entrega os carros a jornalistas. E se por fora a nossa opinião estava formada, sim era atraente, mas parecido com os muitos que agora povoam a categoria que o Qashqai inaugurou em 2007. Por dentro a história era outra: mais moderno e atraente, finalmente. Isto porque a primeira geração tinha no seu interior o seu calcanhar de Aquiles: era demasiado banal. Algo que nem o sistema 360 (câmaras nos 4 cantos do carro) conseguia disfarçar, só minimizar.

Apesar de os plásticos do tablier já não ser duros, são emborrachados como nós gostamos, existem zonas com plásticos menos nobres, como a zona onde se coloca os copos na consola central e num sitio onde só nós jornalistas vamos mexer: a zona junto ao vidro central onde estão colunas, são demasiados fracos para qualquer carro. E existem pormenores que merecem revisão: os 4 vidros são eléctricos mas só o do condutor é automático, uma moda dos construtores do extremo oriente que não se compreende. Outra função que merecia atenção é o esguicho para lavar o vidro frontal, temos que igualmente accionar o limpa para-brisa, não o faz automaticamente, como todos os carros. E para finalizar, a tradução do computador de bordo merecia melhor, onde se lê “CO2 gravado” deveria estar “CO2 poupado”… “Saved” tem este problema na tradução literal.

10172738_659392184096988_4840319778163184442_n

Estes pormenores são regulares em muitas viaturas, que nem sequer mencionamos durante os ensaios, mas o Qashqai merece uma análise mais exaustiva e os leitores pedem uma análise mais atenta.

Mas o computador de bordo está completo e atraente e o ecrã do GPS está maior e com mais definição. Este nível Tekna ainda não inclui o sistema Nissan 360, mas inclui câmara de marcha atrás, travagem de emergência, aviso de transposição involuntária de faixa de rodagem, Bluetooth e GPS. Além de um alçapão na bagagem, com divisórias: as tampas podem servir de divisão entre cargas diferentes. Simples mas funcional.

qq_interior_002

Os motores: o 1.5 DCi está disponível a partir de 26 mil euros, o “nosso” custa mais 5 mil euros. Mas por mais 2 mil euros pode adquirir o 1.6 Dci e isso compensa no dia-a-dia. A diferença no preço está no Co2, o 1.5 consegue baixar dos 100g de Co2 (99). E isso é conseguido graças à perca de vivacidade do bloco antes das 2 mil rotações. Já o 1.6 também tem esse poço, mas consegue sair de lá com mais facilidade.

Em termos de equipamento as duas versões são absolutamente iguais. A única coisa que difere e isso transforma o carácter do Qashqai, é o motor. Os consumos também são superiores em meio litro aos cem em favor da menor cilindrada. Para uma utilização normal e para a a maioria do comum dos mortais o 1.5 cumpre perfeitamente o que se lhe pede. Para os mais exigentes, os 1.6 é imprescindível.

Resumindo: O Qashqai cresceu, está melhor e continua a ser o alvo a abater. Se a 1ª geração esteve 7 anos no poder, esse lugar continua a pertencer à segunda geração, embora não tenha a tarefa facilitada pela concorrência.



About the Author

Edmar Rodrigues
Sou jornalista de Ti desde 1999. Tendo passado por publicações como ComputerWorld e Bit e pelos sites www.itnews.com.pt de 2002 a 2006 e www.i-tech.com.pt de 2010 a 2014. Actualmente faço a gestão do Tekie e do www.idrive.pt



 
 

 

PORTO EDITORA E SAMSUNG ASSINAM PARCERIA PARA IMPULSIONAR O DIGITAL NA EDUCAÇÃO

A Porto Editora e a Samsung assinaram terça-feira, dia 7 de novembro, uma parceria que tem como principal objetivo impulsionar a utilização do digital na educação. Para tal, a maior editora portuguesa e uma das maiores emp...
by Edmar Rodrigues
 

 
 

“Descubra” é a melhor APP para o turismo

A APP “Descubra” foi reconhecida pela ACEPI – Associação da Economia Digital – com o Prémio Melhor APP de Turismo Nacional, na edição de 2017 dos Prémios Navegantes XXI. O download é gratuito! Com uma interface d...
by Edmar Rodrigues
 

 
 

A HP Anuncia a Workstation Destacável mais Poderosa do Mundo

A HP apresenta a Workstation  destacável mais poderosa do mundo, concebida para responder às necessidades de desempenho e mobilidade de artistas, designers e profissionais de imagens digitais, que precisam de utilizar o Adob...
by Edmar Rodrigues
 

 

 

Puro apresenta novo adaptador multiportas Type-C

A Puro, representada em Portugal pela Projecto Visual, reforçou a sua gama de carregadores com o lançamento do adaptador Type-C HUB 6-em-1, compatível com a maioria dos dispositivos USB-C, e que permite adaptar vários tipos...
by Edmar Rodrigues
 

 
 

Huawei Mate 10: a verdadeira inteligência para o melhor desempenho de smartphone

Alimentado por Inteligência Artificial, o HUAWEI Mate 10 Pro é o smartphone mais poderoso do mundo. Entende os comportamentos dos utilizadores e gere de forma dinâmica e inteligente os recursos móveis, atendendo a todos os ...
by Edmar Rodrigues
 

 




 
%d bloggers like this: